Araraquara, Rio Claro, São Carlos, São João e Araras têm atos contra cortes de verbas na educação

Escolas e instituições de ensino superior fazem paralisação de um dia nesta quarta-feira (15) contra contingenciamento de R$ 1,704 bilhões anunciado pelo MEC.

Publicado em 5/15/19, 10:11 PM

Araraquara, Rio Claro, São Carlos, São João e Araras têm atos contra cortes de verbas na educação

Estudantes de Araraquara, Rio Claro, São Carlos, São João da Boa Vista e Araras (SP) protestaram nesta quarta-feira (15) contra o corte de recursos anunciado pelo Ministério da Educação (MEC). A paralisação de um dia suspendeu aulas em universidades e em algumas escolas estaduais e municipais da região. Os protestos ocorrem em 26 estados e o Distrito Federal.

Segundo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), 30 escolas estaduais de Araraquara estão fechadas. Em Matão, são 15 e, em Américo Brasiliense, três. Em São Carlos, 85% das escolas aderiram ao movimento. Já em Rio Claro, as escolas municipais funcionam normalmente, informou a prefeitura.

Araraquara

Em Araraquara, alunos de vários cursos da Universidade Estadual Paulista (Unesp) se concentraram em frente ao prédio do Instituto de Química (IQ). De lá, eles caminharam até o prédio da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FCL) e bloquearam a entrada.

Os estudantes também se concentraram no prédio da Faculdade de Odontologia de Araraquara.

O protesto pacífico, com faixas e cartazes, reuniu a participação de professores e servidores da Unesp. "O corte não é uma ameaça só para a comunidade científica, mas para toda a nação. Sem ciência, não há desenvolvimento", disse o estudante de ciências sociais Pedro Gabriel Carvalho Leite.

Além da manifestação contra o bloqueio de recursos, o grupo reivindicou melhorias na universidade. "O país não cresce, não evolui se não tiver pensamento científico. Então você fica dependente de tudo o que é incentivado no exterior e a gente não precisa disso. Um país de ponta não necessita desse tipo de dependência", disse o professor Luis Vitor Silva do Sacramento, diretor da Faculdade de Farmácia.

Durante a tarde, os estudantes, professores e trabalhadores percorreram a Rua São Bento na Praça Santa Cruz, no Centro. Os agentes de trânsito estão orientando o trânsito. A PM estima a participação de cerca de 700 pessoas. A organização fala em 7 mil participantes.

FONTE : G1

Comentários