Sucuri de seis metros é encontrada em sítio

alt

A Polícia Militar Ambiental localizou uma cobra Sucuri, de aproximadamente 6 metros de comprimento e 64 centímetros de diâmetro, em sítio de Novo Horizonte (SP). O caso foi atendido nesta terça-feira (25).

Segundo a polícia, o dono do sítio, um veterinário, foi quem encontrou o animal durante o trabalho de limpeza da represa, retirando o réptil com a ajuda de funcionários.
A cobra surgiu no meio das plantas quando a pá da máquina era erguida. O veterinário, que sabia as formas de capturar o animal, o levou até a caminhonete da Polícia Ambiental com uso do trator.
Pelo diâmetro, a suspeita da polícia é que a cobra tenha 20 anos. Essa não deve ser a única Sucuri pelo local já que vários bezerros apareceram mortos nas últimas semanas no local.
A cobra foi solta pela Policia Ambiental às margens do rio Tietê, em uma reserva florestal, na cidade de Novo Horizonte.

fonte : folha de jumirim

 

RAPIDINHAS DA POLICIA

alt

MÉDICO DO HOSPITAL ESCOLA MORRE NA RODOVIA

O médico MOACIR PEIXOTO JUNIOR, 35, morreu na manhã de sexta-feira em um acidente
automobilístico na rodovia Antônio Machado Santana (Araraquara – Ribeirão
Preto) em Luís Antônio-SP.

Moacir que trabalhava no Hospital Escola trafegava com um Toyota Etios e próximo a um
RADAR MÓVEL perdeu o controle, atravessou o canteiro central, bateu em um
barranco e parou do lado oposto.

Dr. Moacir que estava a caminho do Hospital Escola e também atendia na UBS de Vila Isabel em São Carlos-SP morreu
na hora.

VEÍCULO ATROPELA E MATA PEDESTRE

No sábado (22), a noite um homem que não portava documentos morreu atropelado no km-263 da
rodovia São Carlos – Ribeirão Preto-SP, nas imediações da TAM.

O corpo foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal). O atropelado e o veículo
atropelante não foram identificados.

TIROTEIO NO ARACY DEIXA UM MORTO E DOIS FERIDOS

Na tarde de sábado (22) DAVID MIRANDA CORREIA DA SILVA, 47, invadiu uma residência na rua Elizeu Afonso dos Santos no Cidade Aracy em São Carlos-SP.

DAVID sacou de um revólver calibre 38 e efetuou vários disparos que acabou acertando o abdômen de BRUNO HENRIQUE SILVA, 19.

O pai de Bruno, NATANAEL DA SILVA, 57, entrou em luta corporal com David tentando tomar sua arma.

Na luta o atirador DAVID acabou alvejado no tórax por um disparo da própria arma e morreu na hora.

NATANAEL (pai) e BRUNO (filho) foram socorridos e medicados na Santa Casa.

O quadro clínico de Bruno que foi baleado duas vezes na barriga é muito grave e inspira
cuidados.

Natanael que foi baleado de raspão no peito esta fora de perigo.

PICANHA COLOCA HOMEM NA CADEIA

No sábado (22) à noite PAULO FORTUNA DOS SANTOS, 37, entrou em um supermercado na
Praça Itália, em São
Carlos-SP pegou uma picanha, escondeu embaixo da camisa e
saiu sem pagar.

Paulo foi pego pelos seguranças, encaminhado ao Plantão da Seccional de Policia. Para
completar o furto Paulo estava procurado pela justiça. Resultado ele foi
recolhido a Lata de Sardinha.

LADRÃO AMEAÇA MATAR CLIENTES

No sábado (22) a tarde (12h), um assaltante armado e encapuzado invadiu a Casa
Lotérica Lotex, na rua Marechal Deodoro, na Vila Nery, em São Carlos-SP.

O ladrão de arma em punho rendeu os clientes e ameaçou matá-los caso a atendente
não entregasse o dinheiro.

Diante das ameaças de morte a funcionária sem alternativas entregou todo o dinheiro
que estava em seu caixa. O ladrão fugiu a pé e não foi encontrado e nem
identificado pela polícia.

TRAFICANTE DE IBATÉ FORA DE CIRCULAÇÃO

No final de semana os policiais militares, cabo Fernando César e Fhal prenderam na
rua Floriano Peixoto em Ibaté-SP, o vendedor de drogas IVAN APARECIDO OSÓRIO,
22. Com ele e um adolescente, 17, havia, 100 pedras de crack, 20 supositórios de cocaína e 20 trouxinhas de maconha.

O adolescente foi ouvido e liberado para a família. Ivan foi autuado em flagrante
e colocado na Lata de Sardinha.

GUARDA MUNICIPAL PRENDE CASAL ARROMBADOR

Na madrugada dessa segunda-feira (24), Clayton Garcia Guareschi, 35 e Mariellen
Marcolino, 31 arrombaram a porta frontal de uma empresa na rua Miguel Petroni,
no Santa Felícia em São
Carlos-SP e subtraíram dois computadores completo.

O casal foi encontrado pelos guardas municipais, Rizomar e Varela na rua Cândido
de Arruda Botelho com os CPUs.

Clayton e Mariellen foram autuados em flagrante pelo delegado Adriano Callsen
Alexandrino e colocados na Lata de Sardinha. 

FONTE : MENDES AGUIAR 

 

"Infelizmente matar faz parte da ação policial", diz Telhada

alt

"Infelizmente matar faz parte da ação policial", diz Telhada


Na recepção do gabinete do deputado estadual Paulo Telhada, um potinho de balas de goma saúda o visitante, embaladas em papel branco com seu nome e a expressão "bancada da bala" ─ como é conhecida a frente política conservadora integrada por Telhada, coronel reformado da Polícia Militar de São Paulo.

Polêmico deputado Paulo Telhada integra a "bancada da bala", formada por ex-policiais
Polêmico deputado Paulo Telhada integra a "bancada da bala", formada por ex-policiais
Foto: BBC)
Na parede, mais um trocadilho: um grande cartaz com o slogan que adotou ao ingressar na política ─ "Uma nova Rota na política de São Paulo" ─ referindo-se à controversa unidade de elite da qual foi comandante antes de ir para a reserva. Na sala de espera, o encarte sobre o trabalho do deputado traz uma cartela destacável para montar uma miniviatura da Rota.

Segundo deputado mais eleito de São Paulo no ano passado, pelo PSDB, Coronel Telhada diz que as "balinhas docinhas" são para ironizar o nome dado de forma "pejorativa" à bancada da bala, que defende projetos para reduzir a maioridade penal e flexibilizar o porte de armas. O grupo reúne um "um pessoal que quer trabalhar forte, quer combater o crime, quer trabalhar dentro da lei", define.

Telhada já afirmou à imprensa ter matado mais que 30 pessoas em seus anos na ativa. À BBC Brasil, diz que na verdade "nunca contou" o total, mas que foi "uma pancada", sempre "dentro da lei".

O coronel se exalta com críticas ao número de mortes causadas por policiais, afirmando que matar "faz parte da ação policial' e não pode ser evitado em um país em "guerra" como o Brasil.

No primeiro semestre deste ano, o número de pessoas mortas por policiais em serviço cresceu 10% e foi o mais alto em dez anos, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

No último dia 13, 18 pessoas foram mortas em Osasco e Barueri, na Grande São Paulo, e suspeita-se que a chacina tenha sido cometida por policiais para vingar a morte de um colega.

Segundo informações obtidas pela TV Globo, a Corregedoria da Polícia Militar estaria investigando 19 suspeitos de envolvimento nos assassinatos. Dezoito dos investigados seriam policiais militares, de acordo com a emissora.

Telhada diz que a chacina é "gravíssima" mas revolta-se com o Secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, que afirmou logo após o crime que a principal linha de investigação apura envolvimento policial ─ para Telhada, uma "besteira" que joga a corporação "num mar de lama sem qualquer prova".

Ele defende o projeto aprovado ontem pela Câmara dos Deputados para reduzir a maioridade penal, mas queria que a redução fosse dos 18 para os 14 anos. Para ele, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é um "Frankenstein" que criou "um monstro mirim", como se refere ao infrator menor de idade. Os problemas sociais por trás do envolvimento de adolescentes com o crime são de responsabilidade do Estado, afirma ─ ele, como policial, trabalha "com o efeito". "Eu ganho para resolver aquele problema", diz.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

Coronel Telhada - Aqui no Brasil se costuma mostrar o criminoso como vítima da sociedade e o policial como algoz. Isso veio após a revolução de 64, ou o golpe militar, ou chame como quiser – onde tudo que é relativo a segurança e ao nome "militar" virou sinônimo de tortura, violência.

Mas agora a população cansou disso, e quer uma posição firme contra o crime, firme contra as irregularidades.

A nossa legislação criminal é muito benevolente com o crime. Tem que ser alterada e fazer com que o criminoso sinta, sim, o peso da lei. Aqui no Brasil, o crime compensa, porque o cara não recebe a sanção adequada para o que fez. A sensação de impunidade é muito grande. O criminoso fica à vontade para praticar crime, porque sabe que quase não vai ter efeito nenhum sobre ele. A nossa principal briga é no sentido de melhorar a legislação penal.

BBC Brasil - O senhor fala em impunidade, mas comumente esta é um crítica feita também à polícia. O outro lado é a polícia com fama de ser muito violenta e o policial percebido como algoz.

Coronel Telhada - Acho que isso é um ranço do regime militar. Toda ocorrência onde você tem um confronto entre a polícia e o criminoso, de imediato já se fala que a polícia é culpada.

A mídia sempre aponta a polícia como autora de violência e essa conduta é muito ruim. O pessoal tem que entender que a polícia não é culpada da violência.

O culpado da violência é o Estado brasileiro. São nossas leis que são fracas para o criminoso e favorecem o tráfico de entorpecentes e a falta de policiamento nas fronteiras. É a nossa educação que está uma porcaria no Brasil. Todos os segmentos da sociedade estão falhando. E quando chega no crime, a culpa é da policia, e todo mundo lava as mãos.

BBC Brasil - Mas infelizmente não é raro ver policiais envolvidos com violência. Semana passada 18 pessoas foram assassinadas na chacina de Osasco e Barueri e o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse que a principal linha de investigação considera a participação de PMs.

Coronel Telhada - O secretário devia pensar mais antes de falar. Ele, por ser o chefe de polícia, devia ter mais de cautela antes de falar besteira. Ele não tem prova nenhuma. Pode ser policial? Pode, ninguém está negando essa hipótese. Mas quando ele joga essa hipótese como a principal linha de investigação, olha a grave falha que ele comete. Ele já acusa uma corporação.

Se provado amanhã que há policiais envolvidos, que paguem, e que paguem bem caro, porque cometeram um crime grave. Mas é complicado você jogar uma corporação num mar de lama sem qualquer prova. Ouvi falar que o governador (Geraldo Alckmin) está dando um prêmio de R$ 50 mil para quem tiver alguma prova. Eles não têm uma prova de que seja policial militar!

Aí vão falar da munição usada. Hoje qualquer bandido usa armamento exclusivo das Forças Armadas.

A chacina é uma coisa gravíssima e não deve acontecer. Mas quando morre um policial a preocupação não é a mesma. Nos últimos quatro anos, já passamos de 400 policiais mortos em São Paulo. Quando morre um criminoso a grita é geral. Poxa, será que nós valemos menos que um criminoso?

BBC Brasil - Recentemente a Anistia Internacional divulgou um relatório falando sobre o alto número de mortes causados por policiais no Estado do Rio. Nos últimos cinco anos, a polícia matou mais de 1.500 pessoas, o equivalente a 16% dos homicídios no período. Os casos foram registrados como autos de resistência que, segundo a Anistia, podem mascarar execuções extrajudiciais.

Coronel Telhada - O que me chama atenção é que eles falam de 16% em decorrência de ações policiais. E os outros 84%? São mortes de cidadãos pais de família. Ninguém se preocupa. O elevado não são os 16%. O número de mortes no Brasil é muito alto. A legislação penal não pune de maneira adequada. A vida de um cidadão perdeu o sentido. Hoje um criminoso mata por causa de um celular, por causa de R$ 10.

Então me assusto quando vejo os outros países com essa hipocrisia internacional, porque no país deles a lei funciona. Então eles vêm aqui questionar a minha polícia, se nós estamos agindo legitimamente ─ em um país que não tem lei, onde ninguém respeita a lei!

O único obstáculo entre o cidadão decente e o bandido se chama polícia. E essa polícia está de quatro, essa policia está amarrada. Essa polícia está desestimulada.

O policial civil e militar não só ganha um mau salário como também não tem apoio da família e da sociedade para trabalhar. O governo hoje não valoriza a policia que tem. Quer que policia tome atitude, exige, e quando toma, o policial é punido.

BBC Brasil - Mas o problema é a sensação de que a polícia pode matar e isso não tem consequências.

Coronel Telhada - Um policial na rua está sujeito a tudo, a salvar, a matar e a morrer. E infelizmente às vezes a gente é obrigado a matar para não morrer. O interessante é que quando você mata como policial, a Anistia quer imputar a pecha de que somos perigosos, de que nós matamos porque nós queremos. Parte do princípio de que o policial matou porque quis matar, ou porque é violento. Nunca de que ele matou para se salvar ou salvar uma pessoa.

Se um policial fica 30 anos na rua e não mata ninguém, quero saber a quantas ocorrências ele foi. Porque tem tiroteio todo dia. Todo dia morre pai de família. Aliás, está fazendo 25 anos que eu fui baleado pela primeira vez. Isso a Anistia não leva em consideração. Mas quando eu matei, a Anistia ficou preocupada porque eu matei.

É complicado você estar na guerra, não dar tiro, não morrer, não ser baleado, não matar como já tive que matar. Infelizmente, isso faz parte da ação policial. Em um país como o Brasil, onde o bandido não respeita a lei, ele atira por qualquer motivo.

BBC Brasil - Mas o senhor está falando de casos de legítima defesa e a Anistia está falando de casos de suspeita de execuções extrajudiciais.

Coronel Telhada - Eu desconheço casos de execução que tenha envolvimento do policial em que não tenha sido tomada uma atitude. Eu conheço casos em que foram encontradas várias pessoas mortas e não se chegou ao autor. Estamos partindo do pressuposto de que todas as pessoas que foram executadas foi policial que matou. É muito perigosa essa afirmação.

BBC Brasil - Então não existem execuções extrajudiciais na polícia?

Coronel Telhada - Que eu saiba não. Eu nunca participei de nenhuma. Quando houve, a polícia conseguiu constatar e expulsou da corporação, e (os responsáveis) estão cumprindo pena.

Em todos os casos, sem exceção, é feito inquérito policial. Eu mesmo já fui julgado e absolvido. Se o policial matou e não foi condenado, é porque estava agindo legitimamente. É por isso que existe um pressuposto da legítima defesa e do estrito cumprimento do dever legal. Os bons policiais agem dentro da lei. Mas nós matamos também. Graças a Deus nós estamos vivos. Eu sou avô hoje, graças a Deus.

BBC Brasil - O senhor disse diversos casos (de pessoas que matou). O que aconteceu depois?

Coronel Telhada - Todas as vezes que eu tive ocorrência em que tive que trocar tiro e matar um ladrão, eu apresentei a ocorrência no distrito, foi feito todo o procedimento legal, foram ouvidas todas as testemunhas, todas as vítimas. As vítimas confirmaram a versão do policial. Fomos julgados e fomos absolvidos.

Nunca tive nenhuma condenação, porque nunca fiz nada errado. Fiquei 33 anos no serviço ativo, tive inúmeras ocorrências e nunca fui condenado. Porque sempre trabalhei dentro da lei. Eu não posso falar pelo meu vizinho.

Coronel Telhada - Eu queria que fosse aquele número mesmo. Eles falam em 36. A imprensa fala. Eu mesmo não sei. Por Deus que está no céu. Eu nunca parei para contar. Mas os caras levantam a minha ficha no Tribunal Militar e lá tem um número "x" de ocorrências. Minha preocupação foi sempre trabalhar dentro da lei. Quantos morreram ou não, não sei. Agora, nunca me perguntaram quantos eu salvei.

BBC Brasil - Quantos?

Coronel Telhada - Ah, milhares. Milhares, milhares. Isso ninguém está preocupado.

A redução da maioridade penal é uma das principais bandeiras da bancada da bala. O projeto é defendido por parte da população, e outros criticam com veemência a ideia de se julgar e penalizar menores como adultos.

Eu entendo que quando o legislador criou a ideia da maioridade penal aos 18 anos, ele pensou no melhor para a sociedade. Mas ele criou um monstro, chamado infrator menor de idade. Um monstro mirim. É um 'Frankenstein'. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) é um Frankenstein, porque quis fazer uma coisa boa e criou um monstro.

O jovem com 12, 13 anos atua no crime sabendo o que está fazendo. Nos morros do Rio, os bandidos soldados que tomam conta das biqueiras (bocas de fumo) são jovens de 12, 13 anos, e andam armados de fuzis. Aqui em São Paulo, criminosos de 14, 15 anos estupram, matam, sabendo o que estão fazendo. As quadrilhas usam os menores de idade porque sabem que, caso eles sejam presos, os menores assumem o crime e ficam presos por um ou dois anos no máximo.

O indivíduo praticou um crime, ele tem que pagar pelo que ele fez. Se não fica uma imagem de impunidade que faz com que outras pessoas cometam o mesmo crime. A sociedade brasileira não aguenta mais. E a mudança necessária é a diminuição da maioridade penal. Infelizmente para os 16 anos, eu gostaria que fosse aos 14.

BBC Brasil - Mas outro argumento de quem condena a mudança é que a maioria desses jovens são pobres, negros e crescem sem acesso a educação, com uma falta absoluta de oportunidade.

Coronel Telhada - Minha querida, você está entrevistando o Coronel Telhada. Estou falando como PM. Eu, como Segurança Pública, trabalho com o efeito. Quem tem que trabalhar com a causa é o Estado, que tem que prover educação, assistência social, saúde publica, o que não é feito.

Eu trabalho com o crime, eu pego a situação pronta. O menor de idade estuprando, matando, fazendo tráfico de entorpecente. É com isso que eu tenho que agir. Se ele teve problema na infância ou não, se não teve educação, se a mãe dele era prostituta, se o pai era drogado, eu, como policial, isso não é problema meu.

Eu ganho para agir para resolver aquele problema. Fora isso, toda a sociedade falha. Todos os órgãos que deveriam estar envolvidos para melhorar a segurança pública no Brasil não se apresentam. E a culpa é só da polícia.

Fonte : Terra 

 

RAPIDINHAS DA POLICIA

alt

LADRÃO COM FACA ROUBA MULHERES

Na tarde de quarta-feira (19) duas mulheres foram roubadas quando faziam compras em uma loja
na Rua Dom Pedro-II, no Centro de São Carlos-SP.

Um ladrão com uma faca fez ameaças de morte e fugiu levando as bolsas com
celulares, documentos pessoais e dinheiro de Antônia de Faria,35 e Eliane Lopes, 29.

PEDINTES E BRIGAM NA PRAÇA INDEPENDÊNCIA

Dois desocupados na tarde de quarta-feira (19) ficaram feridos depois de uma briga no semáforo da Avenida
São Carlos com a Rua Eugênio de Andrade Egas, defronte a Praça Independência, em São Carlos-SP.

Fernando
Pires Freitas, 25 anos percebeu que Murilo Ramalho de 23 anos estava pedindo
dinheiro em seu ponto.

Os dois discutiram e no calor da discussão aconteceram facadas e garrafadas.

O pedinte e flanelinha bastante feridos foram socorridos e medicados no Hospital
Escola e depois ouvidos no 1º Primeiro Distrito Policial foram e liberados.

DESCALVADO - DIG PRENDE EMPRESÁRIO E
MOTORISTA POR ROUBO DE CARGA

Na terça-feira (18) um caminhão que transportava uma carga de café avaliada em R$
220 mil reais foi roubada na rodovia Dom Pedro-II em Itapeva-SP.

As 22 toneladas de café foram armazenadas em uma distribuidora de alimentos na Rua
Padre José Gaspar, no Jardim São Sebastião, em Descalvado. O caminhão
foi abandonado em
Porto Ferreira-SP.

O que a quadrilha não sabia é que em uma das caixas de café tinha um GPS que
rastreava a carga.

Na tarde de ontem a DIG (Delegacia de Investigação Geral) de São Carlos-SP com
apoio da Polícia Civil e Militar de Descalvado pegaram em flagrante a carga
sendo colocada em uma carreta.

O empresário Romualdo Rossi alegou para o delegado Gilberto de Aquino que não
sabia que carga era produto ilícito e apresentou uma nota fiscal fria.

Os policiais detiveram 11 pessoas, porem apenas o empresário ROMUADO ROSSI, 43 e o
motorista da carreta HENRIQUE NEMÉSIO LOCH, 63, foram autuados em flagrante e
colocados na lata de Sardinha de São Carlos.

JUSTIÇA CONDENA ASSALTANTES QUE TENTARAM MATAR POLICIAL MILITAR

Na manhã de domingo do dia 5 de abril deste ano, três assaltantes trocaram tiros
com um policial militar que estava de folga no posto das Bandeiras, na Avenida
Getúlio Vargas em São
Carlos-SP.

O objetivo dos ladrões era levar o dinheiro do final de semana que estava no
cofre do posto de combustíveis, porem foram impedidos pelo policial.

Ocorreu troca de tiros e o sargento foi baleado de raspão. Um dos assaltantes ficou gravemente
ferido, ele foi internado e acabou sobrevivendo.

Os três envolvidos: STIVE WANDERSON DE OLIVEIRA, foi condenado a 6 anos, RAFAEL
SUTANI, 5 anos e 4 meses e DAVID MICHAEL GOMES DA SILVA, a 7 anos, que somados
chega a 18 anos e quatro meses de reclusão.

A justiça criminal de São Carlos determinou que os assaltantes, Rafael, David e
Stive, terão que cumprir a condenação em regime fechado.

LADRÃO ABANDONA TV NO TELHADO

Na manhã de terça-feira (18) moradores da rua José Beneti, na Vila Prado em São Carlos-SP,
notaram que no telhado de uma casa estava um homem com uma televisão e
acionaram a polícia.

O ratão percebeu, deixou o televisor no telhado e fugiu em um Corsa preto que estava
nas imediações.

O televisor de 40 polegadas abandonado foi encaminhado ao 2º Distrito
Policial e esta a disposição do legitimo proprietário.

POLÍCIA ENCONTRA VEÍCULOS FURTADOS

Policiais militares encontram na manhã de terça-feira (18) dois dos três veículos que
foram furtados em uma funilaria na rua Santa Filomena, na Vila Isabel em São Carlos-SP.

O Fiat Grand Siena foi encontrado na Água Fria sem as rodas, o Palio estava na
rua Ceará, no Jardim Gonzaga também sem as rodas, a moto não foi localizada

TROMBADÃO LEVA BOLSA

Na manhã (09h) de terça-feira (18) mais uma mulher perdeu a bolsa para um
trombadão na rua São Joaquim com a Sete de Setembro no Centro de São Carlos-SP.

Na bolsa de Vivian Camariel continha dinheiro, documentos pessoais, celular e
outros objetos. O trombadão não foi encontrado pela polícia.

ESTUDANTES DA FEDERAL SÃO PRESOS POR
FURTO EM SUPERMERCADO

Na tarde de ontem dois estudantes de imagem e som da Universidade Federal foram
presos em um supermercado na rua Eugenio de Andrade Egas com a avenida São
Carlos em São Carlos-SP.

Larissa Belaforte, 19 e Marlon Basílio, 21, entraram no mercado, encheram uma sacola
com vários produtos e saíram de fininho.

O casal que saiu sem pagar foi pego pelos seguranças quando estava no
estacionamento do mercado.

Larissa e Marlon foram encaminhados ao 1º Distrito Policial da Vila Nery e autuados em
flagrante pelo delegado Mauricio Dotta.

A estudante universitária Larissa foi encaminhada ao Presídio Feminino de
Ribeirão Bonito e Marlon a Lata de Sardinha de São Carlos.

AUTÔNOMO DE IBATÉ MORRE NA SANTA CASA

Marcelo Jhonis Thomas, 25 anos que morava na rua Matão, no Jardim Cruzado, em Ibaté-SP,
na segunda-feira (17) às 14h foi internado por ter sofrido uma queda.

Nessa quarta-feira (19), aos 30 minutos Marcelo que estava sendo hospitalizado na
Santa Casa de São Carlos-SP, não resistiu aos ferimentos e entrou em óbito.

O médico plantonista declarou em seu relatório, que Marcelo estava com
traumatismo craniano e vários hematomas.

Por essa razão um Boletim de Ocorrência de morte suspeita foi registrado no Plantão
da Seccional de Polícia.

 

 

FONTE : MENDES AGUIAR 

 

 

Caminhão com 22 toneladas de café roubado é interceptado em São Carlos

alt

Um caminhão carregado com café roubado foi interceptado pela polícia na tarde desta quarta-feira (19) em São Carlos (SP). A ação contou com o apoio da Polícia Militar e Civil de Descalvado (SP) e da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de São Carlos. A carga tinha cerca de 22 toneladas de café roubados na terça-feira (18) em Pirassununga (SP). Um localizador escondido na própria carga ajudou as autoridades a interceptar o veículo. 11 pessoas foram detidas, incluindo o motorista do caminhão e o dono de uma distribuidora, e encaminhadas para a DIG.

A polícia também descobriu uma casa onde a carga roubada estaria sendo guardada. A residência, que possuía monitoramento por câmeras e três saídas, funcionava como um depósito de distribuição de alimentos. De acordo com vizinhos, caminhões descarregavam produtos no local cerca de duas vezes por semana. No interior da casa, foram encontrados diversos produtos distribuídos pelos cômodos. O local foi lacrado pela polícia.

Além do motorista do caminhão, os outros 10 suspeitos teriam sido contratados para carregar e descarregar o café. Eles afirmam que descarregaram a mercadoria às 7h30 e foram chamados para carregá-la novamente às 13h30. Todos os suspeitos afirmaram que não tinham conhecimento de que a carga era roubada. O proprietário da distribuidora também alegou desconhecer a procedência da carga. Ele e os funcionários foram detidos em flagrante.

Fonte G1 São Carlos e Araraquara

 

Página 8 de 263

Parceiros

Criação de Sites

Tempo

Radar

Radar - Fique de olho!

Conheça a Bíblia

biblia
Cactus Web | Criação de Sites